Meridith Kohut for The New York Times
Meridith Kohut for The New York Times

Milhares de venezuelanos podem morrer por falta de material para diálise

Desabastecimento de insumos médicos na Venezuela alcança 85%, segundo várias ONGs

O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2018 | 21h08

CARACAS - Cerca de 17 mil pessoas correm o risco de morrer na Venezuela por falta de material para diálise, um dos muitos insumos médicos escassos pela crise econômica, denunciaram pacientes e uma ONG nesta quinta-feira (1).

Dezenas de atingidos protestaram nas cidades de Maracaibo (noroeste) e Barquisimeto (oeste) para exigir ao governo que importe rapidamente o material necessário para os tratamentos. 

"São quase 17 mil pessoas que estão em risco. Esgotaram-se os filtros que fazem a função do rim nas diálises. Se não forem atendidos, vão morrer imediatamente", advertiu à AFP Francisco Valencia, diretor da ONG Codevida, que defende o direito à saúde.

+ Na Venezuela, diabéticos morrem sem insulina e escassez piora

Segundo Valencia, um homem morreu nesta quinta-feira  no Estado Barinas (oeste) por não poder fazer a diálise. 

"Temo pela minha vida. Não recebo uma boa diálise desde sábado. Na terça-feira passei apenas por duas horas de diálise, o que não é suficiente, e não sei quando poderão me atender de novo, pois não há material", relatou à AFP Carmen Padilla, de 44 anos, que espera um trasplante de rim. 

Padilla protestou em Barquisimeto. "Estou com muito líquido e hoje nos disseram que vai chegar material apenas para 100 pacientes no Estado, quando somos mais de 1.300", declarou por telefone.

Segundo o jornal El Nacional, 32 dos 129 centros de hemodiálise do país estão fora de serviço por falta de material.

A escassez de remédios na Venezuela para doenças de alto custo, como o câncer, chega a 95%, enquanto os essenciais, como contra hipertensão, é de 85%, de acordo com a Federação Farmacêutica. No entanto, o desabastecimento de insumos médicos alcança 85%, segundo várias ONGs.

"Não há filtros e pedem que levemos o nosso, mas não existe. Tenho de fazer diálise três vezes por semana e nesta só fui ontem", disse à AFP em Caracas Anyeli Palma, de 32 anos. 

Chorando, Palma assegurou que já tem problemas para dormir e respirar porque acumula líquidos nos pulmões: "Tenho medo. E se continuarmos assim, o que pode acontecer é haver muitas mortes". 

O presidente Nicolás Maduro aprovou na terça-feira um orçamento de 12,3 milhões de euros para adquirir "medicamentos hemoderivados, insumos para bancos de sangue, cateteres e reativos para as máquinas de diálise".

Maduro denunciou que seu contraparte colombiano, Juan Manuel Santos, ordenou deter barcos que se dirigiam para a Venezuela com remédios para diálise. Valencia celebrou o anúncio do presidente, mas teme que os remédios e insumos não cheguem a tempo. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.