Milhares marcham contra o terrorismo em Moscou

Agitando flâmulas e bandeiras, dezenas de milhares de russos foram às ruas numa manifestação contra o terrorismo nesta terça-feira, concentrando-se do lado de fora do Kremlin em resposta aos apelos do governo do presidente Vladimir Putin, depois de uma série de atentados que deixou mais de 400 mortos.A multidão se manteve em silêncio por um minuto em memória das vítimas. A pesseata teve início depois que o relógio da Torre Spassky, no Kremlin, bateu as 17h00. A manifestação, organizada por um sindicato que apóia o governo e convocada pela mídia estatal,ocorre durante o terceiro dia de funerais na cidade de Beslan, que chora pelos mais de 300 mortos no ataque terrorista a uma escola local. Em entrevista com um grupo de jornalistas e acadêmicos estrangeiros, Putin negou veementemente qualquer conexão entre as políticas russas para a Chechênia e as atrocidades de Beslan. Ele voltou a repudiar a idéia de negociação com os rebeldes chechenos, informam os jornais britânicos Independent e Guardian. "Por que vocês não se reúnem com Osama bin Laden, convidam-no para ir a Bruxelas ou à Casa Branca participar de negociações, perguntam o que ele quer e dão isso a ele para que os deixe em paz?", disse Putin, em tom sarcástico, segundo o Guardian. Putin disse que os estrangeiros não devem questionar suas políticas para a Chechênia, não depois que os terroristas mataram crianças pelas costas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.