Milhares participam de funeral de clérigo sunita libanês

Milhares de pessoas saíram nestas segunda-feira para as ruas no norte do Líbano para o funeral do clérigo muçulmano xiita xeque Ahmed Abdul-Wahid, cujo assassinado deu início a intensos confrontos em Beirute, aumentando os temores de que a crise na Síria está avançando para além das fronteiras do país.

AE, Agência Estado

21 Maio 2012 | 11h16

Os confrontos ocorridos durante a noite em Beirute deixaram pelo menos dois mortos e 15 feridos e foram os mais sérios na capital em quatro anos. As ruas estavam mais calmas na manhã desta segunda-feira, mas algumas lojas permaneceram fechadas e muitos pais não levaram seus filhos para a escola.

A violência no bairro predominantemente sunita de Tariq Jadidah, em Beirute, teve início horas depois de o xeque Ahmed Abdul-Wahid e seu guarda-costas terem sido mortos a tiros num posto de verificação no norte do Líbano. Abdul-Wahid era um clérigo contrário à Síria.

Autoridades se preparavam para a possibilidade de mais episódio de violência nesta segunda-feira no norte do país, local do enterro de Abdul-Wahid. Homens com rifles automáticos gritaram pedindo o fim do regime sírio na cidade natal do clérigo, Bireh.

Os confrontos mostram como o derramamento de sangue na Síria, onde o regime do presidente Bashar Assad vem reprimindo o levante contra seu governo, pode estimular a violência do outro lado a fronteira, no Líbano. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Síriaclérigofuneral

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.