Milhares protestam pela morte de mulher na Caxemira

Manifestantes acusam o governo pela morte de menina de 17 anos, mas porta-voz nega

Efe

03 de novembro de 2007 | 15h43

Milhares de pessoas protestaram neste sábado , 3,  na região da Caxemira, acusando o governo pela morte de uma mulher, segundo fontes oficiais.   Cantando " Queremos liberdade" e "apoio militantes", milhares de camponeses carregavam o corpo de Nusrat Bano, 17 até seu túmulo , em Nila, onde a enterraram.   O porta-voz do exército indiano,Majinder Singh, disse que Bano foi morta neste sábado, durante confronto entre rebeldes e os soldados. No entanto, uma camponesa disse que soldados atiraram na menina de 17 anos quando ela se aproximava de sua casa.   "O exército está investigando o caso", disse Singh. O confronto começou após militantes jogarem granadas e abriram fogo contra soldados que estavam no local, em busca de rebeldes escondidos. Além de Bano, dois suspeitos rebeldes foram mortos.   Fontes oficiais disseram que os rebeldes pertenciam ao maior grupo da regiao, Hezb-ul-Mujahedeen. O grupo não se manifestou.   O sentimento anti-indiano é forte na região da Caxemira , onde os rebeldes vêm lutando desde 1989 para ganhar a independência do Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
CaxemiraÍndiamorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.