Majdi Mohammed/Reuters
Majdi Mohammed/Reuters

Milhares recepcionam Abbas na volta da ONU

Em discurso em Nova York, presidente da Autoridade Palestina pediu criação de Estado pleno

BBC Brasil, BBC

25 Setembro 2011 | 13h33

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, foi recepcionado neste domingo, 25, por milhares de pessoas em sua volta para a Cisjordânia de Nova York, onde pediu pela criação do Estado Palestino na ONU. "Levantem suas cabeças porque vocês são palestinos", disse ele para a multidão que organizou o que muitos correspondentes afirmaram ser uma "recepção de herói" em Ramallah.

"Ressaltamos para qualquer um que desejamos atingir nossos direitos por meio de meios pacíficos, negociações, mas não quaisquer negociações", disse ele.

"Concordaremos apenas com as leis internacionais como base para nossas negociações e um cessar completo das atividades (de ampliação) dos assentamentos", completou.

Na sexta-feira, 23, Abbas pediu para que a ONU apoie a criação de um Estado Palestino com base nas fronteiras anteriores a 1967. As negociações diretas entre isralenses e palestinos foram interrompidas em setembro de 2010. Os palestinos deixaram o diálogo em protesto contra a construção de assentamentos judaicos na Cisjordânia ocupada, em terra que eles pretendem usar em seu futuro Estado.

Após o discurso de Abbas na ONU, o premiê israelense, Binyamin Netanyahu, disse que a raiz do problema não eram os assentamentos, mas a recusa dos palestinos em aceitarem Israel como um Estado judeu.

Depois dos discursos dos dois líderes, o quarteto que negocia a paz no Oriente Médio, EUA, ONU, Rússia e União Europeia, pediram para que israelenses e palestinos retomem as negociações de paz dentro de um mês com o objetivo de chegar a um acordo ao final de 2012.

Os EUA disseram que vão vetar a proposta de Estado Palestino, se esta chegar a ser proposta para votação no Conselho de Segurança. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.