AP
AP

Milhares rezam em mesquita na Indonésia que sobreviveu ao Tsunami

A província de Aceh foi local do pior da devastação, com pelo menos 168 mil mortos. O tsunami também matou milhares no Sri Lanka, Índia e Tailândia.

GAYATRI SUROYO, REUTERS

25 de dezembro de 2014 | 16h44

Milhares de indonésios se reuniram nesta quinta-feira para rezar numa mesquita que foi uma das poucas construções que permaneceram em pé em Banda Aceh, a cidade destruída pelo tsunami que matou pelo menos 226 mil pessoas há dez anos num dia 26 de dezembro.

Imagens da mesquita de 135 anos isolada numa área em que quase tudo em volta havia sido destruído foram umas das mais marcantes cenas do desastre causado pela onda, resultado de um terremoto de magnitude 9,1 na costa de Sumatra, ilha da Indonésia, em 2004.

"Alá manteve a sua casa segura. Isso é o que nós muçulmanos acreditamos”, disse Azman Ismail, imã da Grande Mesquita de Baiturrahman, à Reuters.

Cerca de 5.000 homens, mulheres e crianças se reuniram dentro da mesquita para a maior oração coletiva no local desde o tsunami. A província de Aceh foi local do pior da devastação, com pelo menos 168 mil mortos. O tsunami também matou milhares no Sri Lanka, Índia e Tailândia.

Syahirizal Abbas, autoridade do governo local, afirmou ter ido à mesquita “para rezar para que os mortos sejam bem recebidos do lado de Alá”. Embora o tsunami tenha causado devastação, Azman Ismail declarou que ele também levou à paz na província, que por anos sofrera com o conflito entre rebeldes e militares, e a um necessário desenvolvimento.

“O tsunami deve ser visto como uma benção, e não como uma punição de Alá”, afirmou Syeikh Ali Jaber, um imã da Arábia Saudita, aos fiéis.

(Por Randy Fabi)

Tudo o que sabemos sobre:
INDONESIATSUNAMI10ANOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.