Milhares vão às ruas exigir renúncia do governo tailandês

Autoridades estão em alerta máximo; líderes acreditam que marcha vai reunir 300 mil pessoas

Efe,

08 de abril de 2009 | 05h06

Milhares de manifestantes iniciaram nesta quarta-feira, 8, um protesto em Bangcoc para exigir a renúncia do governo da Tailândia, acusado pelos opositores de ser antidemocrático. As autoridades estão em estado de alerta máximo perante a marcha convocada pela oposição, que segundo seus líderes deve reunir 300 mil pessoas.

 

Os manifestantes, vestidos com suas características camisas vermelhas, começaram a marchar de uma praça no centro da cidade rumo à residência do máximo conselheiro real, Prem Tisunalonda, que é acusado pela oposição de ter guiado o levante militar que tirou do poder o ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, em 2006.

 

O influente Tinsunalonda, que foi chefe do Executivo entre 1980 e 1988, nega o golpe e afirma que Shinawatra tenta dividir a sociedade tailandesa. Por sua vez, Shinawatra disse que a manifestação pode acabar virando uma guerra civil ou uma revolução popular.

 

Os opositores exigem a renúncia do primeiro-ministro Abhisit Vejjajiva, que na terça-feira, na cidade litorânea de Pattaya, escapou ileso dos pedaços de madeira e galões de água jogados por cerca de 50 manifestantes contra seu carro.

 

Vejjajiva transferiu nesta terça o governo para Pattaya devido ao cerco ao palácio governamental promovido pelos membros da Frente Unida para a Democracia e contra a ditadura, a plataforma de Shinawatra, deposto por um golpe de Estado em 2006 e ainda foragido da justiça.

 

O primeiro-ministro descartou nesta quarta renunciar e prometeu uma resposta firme contra distúrbios que possam ser gerados pelos protestos. "O governo agirá com determinação perante qualquer provocação", assegurou Vejjajiva, cujo mandato não completou ainda cinco meses.

Tudo o que sabemos sobre:
Tailândiamanifestaçãoprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.