Milhões de chineses comemoram aniversário de Confúcio

Milhões de pessoas na China, Taiwan, HongKong e comunidades chinesas no mundo todo celebraram os 2.557 anos do nascimento de Confúcio, numa festa de aniversário que este anofoi marcada por novidades como a criação de um "retrato oficial" do célebre filósofo oriental, informam nesta sexta-feira os meios de comunicaçãoChineses. A cerimônia mais importante aconteceu na quinta-feira, dia do aniversário do pensador. Em sua localidade natal, Qufu, seus descendenteshomenagearam o ancestral com incenso, flores e preces, num templo erigido há séculos em sua honra. O cerimonial reuniu 2.557 pessoas, uma para cada ano. Entre elas estavam descendentes do filósofo vindas de todas as partes do mundo. Muitas delas têm o sobrenome Kong, pois o nome em mandarim deConfúcio era Kong Futse. "O pensamento de Confúcio influencia a mentalidade dos chineses há mais de 2 mil anos. Está presente em nossa forma de ser e de nos expressarmos", destacou Yang Chaoming, um dosprincipais estudiosos da obra do filósofo. A cerimônia de Qufu incluiu uma procissão até o templo de Confúcio, na qual foram transportadas terra e água consideradas sagradas dacolina próxima, onde acredita-se que ele nasceu. A televisão chinesa mostrou também imagens de cerimônias na província de Zhejiang (sudeste) e em Taipé, a capital taiwanesa. Os participantes vestiam roupas multicoloridas, imitando a moda chinesa de 2.500 anos atrás. Nos dias anteriores ao aniversário houve diversas reuniões de descendentes de Confúcio, com a apresentação da nova estátua que será considerada imagem oficial do filósofo. Também foi anunciadaa criação de uma nova árvore genealógica, que tentará incluir as 80 gerações de seus descendentes - 3 milhões de pessoas, hoje em dia. Pela primeira vez, a lista incluirá mulheres. Confúcio (551-479 AC) defendeu uma vida moral e honesta, numa época em que a corrupção havia invadido a sociedade e a política da China. Ele pregou a obediência dos súditos às autoridades, dos filhos aos pais e das mulheres a seus maridos. Após décadas de esquecimento, nos períodos da Revolução Cultural dos anos 60 e 70, e do pragmatismo do 80 e 90, o governo da Chinaestá recuperando a figura do pensador e de sua filosofia, na qual a ordem social e a estabilidade estão acima de tudo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.