Milhões de muçulmanos pedem perdão na peregrinação do haj

Mais de dois milhões de peregrinos muçulmanos se reuniram em torno de uma montanha a leste de Meca no domingo, no momento culminante do haj, para pedir o perdão de Deus. Ao meio-dia (horário local) ainda havia peregrinos chegando à área repleta de milhares de barracas na planície de Arafat, 15 quilômetros a leste de Meca, onde vão orar até o pôr-do-sol. Homens com vestes brancas sem costuras e mulheres envolvidas em véus e vestidos longos choraram de emoção sob o sol do deserto, enquanto irrigadores no alto de colunas enviavam jatos de água para refrescar. Com temperatura de cerca de 30 graus Celsius, o tempo estava brando pelos padrões sauditas. "Estar aqui é melhor do que qualquer coisa que já vivi na vida, melhor até do que o momento em que vi meus filhos pela primeira vez", disse a secretária egípcia Rawya Mohammad. Rawya foi uma dos muitos peregrinos que chegaram antes do amanhecer, alguns vindos a pé, outros de ônibus e milhares em qualquer veículo que puderam encontrar. "Me sinto privilegiado. Sou um entre um milhão de muçulmanos que têm a honra de fazer a peregrinação este ano. Esta é uma recompensa", disse Omar Salah, engenheiro de 38 anos vindo do Egito. O haj refaz o percurso seguido pelo profeta Maomé 14 séculos atrás, depois de ter tirado os ídolos pagãos de sua cidade natal, Meca, e anos depois de ter começado a convocar as pessoas a aderir à então nova fé --que hoje alcança mais de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo. Em Arafat, os muçulmanos oram por perdão e pelo bem-estar deles próprios e de outros muçulmanos. Mas tarde, depois do anoitecer, os peregrinos irão até Muzdalifa para colher pedras com as quais, durante três dias, vão apedrejar muros que simbolizam o demônio na ponte Jamarat.

INAL ERSAN, REUTERS

07 de dezembro de 2008 | 11h28

Tudo o que sabemos sobre:
ARABIAPEREGRINOSMUULMANOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.