Milhões festejam 93º aniversário de Mandela

QUNU, ÁFRICA DO SUL

, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2011 | 00h00

O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela completou 93 anos ontem cercado de amigos e parentes em seu vilarejo natal, Qunu. Cerca de 12 milhões de crianças do país cantaram uma versão especial do Parabéns ao líder que derrubou o apartheid. Personalidades de todo o planeta juntaram-se ao coro.

"Aproveitei a oportunidade para agradecer a ele por tudo o que já fez por seus compatriotas e todos nós", afirmou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. "Ele não quis ouvir meus elogios. Insistiu que todas suas conquistas foram realizadas não por ele, mas por incontáveis outras pessoas - muitas que ele nunca chegou a conhecer."

Depois de 27 anos preso por sua luta contra o apartheid, Mandela ganhou o Prêmio Nobel da Paz e tornou-se o primeiro presidente negro da África do Sul. O americano Barack Obama classificou Mandela como "um exemplo para a comunidade global e todos que trabalham por democracia, justiça e reconciliação". Mandela recebeu sua ex-mulher Winnie Madikizela, o atual presidente sul-africano, Jacob Zuma, e diversos parentes em sua festa.

Racistas. As autoridades da África do Sul informaram que seis homens brancos foram presos na véspera da celebração por alterar as placas da Nelson Mandela Drive, em Pretória. Eles foram detidos enquanto fixavam sobre placas da rua diversos adesivos com o nome de Clive Derby Lewis - político defensor do apartheid que está preso por participação no assassinato de um líder comunista, em 1993.

O Dia de Mandela foi marcado ainda pela morte do general Magnus Malan, de 81 anos, que atuou como ministro da Defesa do apartheid entre 1980 e 1991. Malan foi o primeiro membro do regime a ser julgado, em 1996. Ele foi absolvido. / AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.