Milícia islâmica ´abandona capital da Somália´

Forças islâmicas abandonaram a capital da Somália, Mogadício, nesta quinta-feira, na medida em que tropas do governo apoiadas por soldados da Etiópia, avançaram e estão a 30 quilômetros da cidade.O chefe da União das Cortes Islâmicas, xeque Sherif Ahmad, confirmou que suas milícias deixaram a capital somali por causa do avanço das tropas etíopes.Em entrevista à emissora de TV Al Jazira, o xeque Sherifinsistiu em que a retirada dos milicianos islâmicos é uma "tática",e se deve a uma mudança na estratégia dos Tribunais.O líder islâmico não precisou para onde seus milicianos sedeslocaram. "Retiramos todos os dirigentes e os elementos que trabalhavam para os Tribunais para lugares que só nós conhecemos", disse.Sherif, que é chefe do Conselho Executivo dos Tribunais, rejeitou a idéia de reiniciar as negociações para encontrar uma solução à crise somali, e reafirmou: "não negociaremos com a Etiópia enquanto continuar com seu Exército em nosso país"."Os habitantes de Mogadíscio têm que defender a sua pátria",concluiu o líder islâmico após responsabilizar a Etiópia por "tudo o que aconteceu" nas últimas semanas na Somália.Há notícia de tiroteio pelas cidades e centenas de militantes islâmicos estariam tirando seus uniformes e se submetendo ao comando de chefes de clãs.Segundo testemunhas, edifícios e bases que pertenciam à União das Cortes Islâmicas estão sendo saqueados.A retirada ocorre depois que o Conselho de Segurança das Nações Unidas não conseguiu chegar a um acordo para pedir a retirada das forças estrangeiras da Somália.Sem cessar-fogoO conselho se reuniu na quarta-feira com o objetivo de buscar um cessar-fogo e a retomada das negociações de paz entre as forças etíopes, que apóiam o governo interino da Somália, e os milicianos da União das Cortes Islâmicas (UCI), que há seis meses controlam boa parte do país, inclusive a capital, Mogadíscio.O delegado do Catar, Mutlaq al-Qahtani, afirmou que não houve consenso sobre o pedido de uma retirada imediata e do fim das operações militares na Somália.O embaixador interino dos Estados Unidos, Alejandro Wolff, considerou o fracasso "lamentável" e disse que o Catar estava sozinho na posição de insistir que todas as forças estrangeiras se retirassem imediatamente da Somália.O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, disse que os vizinhos da Somália deveriam respeitar suas fronteiras e "permanecer fora da crise".A União Africana e a Liga Árabe também já haviam apelado para que a Etiópia se retirasse do território somali.O Conselho de Segurança da ONU permanece dividido em relação à permanência de tropas estrangeiras no país.O Catar quer uma resolução que peça a retirada imediata de todas as tropas estrangeiras, inclusive as da Etiópia.Outros membros do Conselho de Segurança, incluindo os Estados Unidos, defendem a intervenção da Etiópia, dizendo que ela está no país a convite do governo interino.OfensivaA ofensiva militar da Etiópia na Somália começou no fim de semana.Na quarta-feira, os soldados que apóiam o governo interino somali tomaram a cidade de Jowhar, que estava sob controle das milícias islâmicas e fica a 90 km de Mogadíscio.O primeiro-ministro da Somália, Ali Mohammed Gedi, disse à BBC que a população de Mogadíscio receberia suas tropas com flores. Ele também afirmou que as tropas etíopes seriam mandadas para casa assim que o governo somali assumisse o controle de todo o país.Matéria alterada às 8h12 para acréscimo de informaçõesCom EFE

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.