Milícias islâmicas se mobilizam contra general na Líbia

O presidente do Parlamento da Líbia, Nouri Abu Sahmein, ordenou nesta segunda-feira que as milícias dirigidas por islamitas se mobilizem para impor o controle na capital Trípoli depois de forças leais a um general invadiram o edifício-sede do poder legislativo ontem. A medida aumenta a possibilidade de um enfrentamento entre as milícias rivais.

AE, Agência Estado

19 Maio 2014 | 14h04

No domingo, as milícias de Hifter invadiram o parlamento e saquearam o edifício, retirando-se depois ao sul da capital, onde se chocaram com rivais que vitimou duas pessoas e feriu outras 50. O bando de Hifter declaração a suspensão da legislatura e a cessão do poder a 60 membros eleitos recentemente para redigir a Constituição.

A rebelião do general Khalifa Hifter ameaçar expor as divisões que marcam a nação desde a deposição e morte do ditador Muamar Kadafi.

Nos últimos três anos, numerosas milícias tomaram conta da nação do norte da África, algumas delas com ideologias extremistas próximas à Al-Qaeda. Por sua vez, o governo central quase não exerce autoridade e as forças armadas e a polícia seguem deterioradas desde a guerra civil que derrubou Kadafi.

Na semana passada, Hifter colocou-se como um nacionalista disposto a restaurar a ordem no país. Ele prometeu esmagar os islâmicos, acusando-os de tomar o controle do país e abrir a porta para os extremistas de inspiração da Al-Qaeda. O general apoiava Kadafi, mas rebelou-se contra o ditador em 1980 e viveu nos Estados Unidos durante anos antes de voltar a juntar-se a revolta que o derrubou em 2011.

O general parece aproveitar a frustração pública generalizada com a impotência do governo e a influência dos islâmicos. Os oponentes, por sua vez, o acusam de querer tomar o poder. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Líbia Violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.