Milícias islâmicas tomam importante cidade na Somália

Milícias islâmicas capturaram neste domingo uma cidade estratégica ao norte de Mogadiscio, aumentando seu controle sobre a Somália e meio aos mais intensos combates em cerca de 15 anos de anarquia na nação do Chifre da África.Pelo menos 14 pessoas morreram e 20 ficaram feridas em três horas de combates em Balad, cerca de 30 quilômetros da capital. A cidade era uma base da aliança secular de senhores da guerra que disputa o poder com as milícias islâmicas na Somália. Os islâmicos acusam os senhores da guerra de terem o apoio dos Estados Unidos; enquanto os seculares acusam os muçulmanos de terem vínculos com o grupo terrorista Al-Qaeda. A perda de deste domingo comprometerá em muito o acesso da aliança à capital."Declaro que as milícias islâmicas assumiram o controle da cidade e trouxeram estabilidade a ela com o apoio da população local", anunciou o presidente da União das Cortes Islâmicas, Sheik Sharif Sheik Ahmed, durante uma entrevista coletiva em Mogadiscio.Avanços das milícias As milícias islâmicas têm feito avanços constantes nos últimos dias, tomando vilas e recebendo o apoio de dois antigos comandantes da aliança.Analistas temem que se repita na Somália o que aconteceu no Afeganistão durante o regime Taleban - um país tomado pela anarquia que só foi estabilizado por milícias islâmicas.Observadores internacionais advertem que a Somália pode se tornar um abrigo para terroristas. Um governo interino apoiado pelas Nações Unidas não conseguiu estender controle sobre o país a partir de sua base em Baidoa, 250 quilômetros de Mogadiscio.A mais recente onda de violência teve início no mês passado. Mais de 300 pessoas foram mortas e 1.700 ficaram feridas desde então.A Somália, um país de 8 milhões de habitantes, não tem um governo efetivo desde 1991, quando senhores da guerra derrubaram o ditador Mohamed Siad Barre e dividiram o país em feudos rivais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.