Milionário Guma pode estar vivo, diz advogado de mulher

O advogado da mulher do brasileiro radicado nos Estados Unidos, Guma Aguiar, um multimilionário que desapareceu na Flórida há dez dias, indicou que o empresário pode estar vivo. De acordo com Bill Scherer, em entrevista para a rede de TV ABC, existe a chance de ele ter orquestrado o desaparecimento para escapar de problemas financeiros, legais e conjugais.

GUSTAVO CHACRA, Agência Estado

01 de julho de 2012 | 13h50

A declaração ocorre em meio a uma ampla batalha judicial na qual a mãe de Guma Aguiar, Ellen, saiu vitoriosa contra a mulher dele , Jamie. As duas disputam o controle dos bens deixados pelo brasileiro, que fez fortuna na Flórida e possui investimentos também em Israel, inclusive em equipes esportivas.

"Ele pode ter cometido suicídio, ter caído do barco e se afogado ou pode ter encenado isso", disse o advogado de Jamie em entrevista para ABC. "Jamie acredita que ele tenha entrado no barco em depressão e pulado ou esteja em algum lugar lutando pela vida", afirmou.

Ao ser indagado se a sua cliente, Jamie, acredita que a mãe saberia de uma encenação da morte, Scherer respondeu que "ela espera que sim porque desta forma os quatro filhos do casal não teriam perdido o pai". A crianças têm idades variando entre 10 meses e dez anos. Guma Aguiar, de 35 anos e nascido no Brasil, e sua mulher vinham enfrentando problemas conjugais e há relatos de que ela teria pedido o divórcio às vésperas do desaparecimento.

O episódio vem sendo comparado a mistérios de livros de Agatha Christie. Em uma noite com previsão de fortes temporais na costa da Flórida, Guma Aguiar decidiu sair com seu barco, de 31 pés. No dia seguinte, a lancha foi encontrada sem nenhuma marca de violência ainda ligada em uma praia de Fort Lauderdale. Depois das buscas, nada foi encontrado. Há ainda indicações, feitas pelo advogado da mulher, de que o empresário sofreria de problemas mentais.

Ao todo, Guma Aguiar teria US$ 50 milhões em uma carteira de investimentos, além de US$ 15 milhões em uma conta e US$ 40 milhões em imóveis, sendo grande parte em Israel. Em maio, ele teria transformado a sua mulher em guardiã, mas posteriormente mudou de opinião e determinou que fosse sua mãe.

Logo depois do desaparecimento, mesmo antes do fim das buscas, Ellen, a mãe, entrou com uma petição para assumir o controle dos bens do filho. Jamie considerou a atitude prematura, mas entrou com petição similar.

Posteriormente, Ellen propôs que uma empresa de administração de riquezas denominada Northern Trust ficasse responsável pelo dinheiro por enquanto. A ideia foi apoiada por dois rabinos - Guma tem origem judaica. Apesar de Jamie ser contra, a Justiça da Flórida concordou com a mãe.

No tribunal, Ellen apresentou um documento no qual Guma escreveu - "Eu revogo todos os poderes que concedi para a minha mulher, Jamie Aguiar, para agir em meu nome. Inclusive, eu me oponho à indicação de Jamie Aguiar de servir como guardiã de minha pessoa ou de minhas propriedades. No presente, eu e minha mulher estamos em conflito de interesse".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.