Milionário pode ter matado amigo para roubar sua identidade

Ele é multimilionário ? seu pai era um autêntico tycoon nova-iorquino e ele é herdeiro da The Durst Organization, um empresa imobiliária avaliada em um bilhão de dólares. Mas Robert Durst está sentado, desde a semana passada, no banco dos réus de um tribunal texano, acusado de matar e esquartejar seu vizinho e amigo Morris Black, de 71 anos.Durst passou o dia, ontem, negando que pretendia matá-lo. Foi um acidente, assegurou. O revólver disparou quando ele e Black lutavam pela posse da arma. Mas não negou que tenha desmembrado o corpo e atirado-o na Baía de Galveston. A acusação acha que ele tinha um motivo bem definido para as duas ações ? passar-se pelo morto.?Você se transformou em Morris Black depois de tê-lo jogado na baía?, afirmou hoje o promotor Joel Bennett. ?Você se fingiu de Morris Black, não foi?? Durst acabou admitindo que usara a licença de motorista e a carteira de saúde de Balck para alugar carros em Mobile, Alabama, e Nova Orleans, quando conseguiu fugir depois que a polícia libertou-o das algemas, na primeira vez em que foi preso (logo depois do crime, ele voou para Nova Orleans, mas retornou a Galveston, onde foi preso. Escapou e tornou-se um fugitivo por seis semanas, até ser recapturado na Pennsylvania).Durst havia dito, no dia anterior, que não se lembrava de detalhes do esquartejamento do corpo de seu vizinho ? os dois moravam num prédio de apartamentos miserável em Galveston ? mas, pressionado por um dos advogados da acusação, disse recordar-se de ?um pesadelo com sangue por todos os lados?.?Lembro-me que era como se eu estivesse olhando para algo embaixo e que estava nadando em sangue e vomitando, vomitando, e não sabia o que era real e o que não era.? Contou que, então, lavou o apartamento com um mistura de água e produtos de limpeza.O milionário chegou a Galveston em novembro de 2000, disfarçado de uma mulher muda, para escapar à investigação da imprensa, depois que o caso do desaparecimento de sua primeira mulher foi reaberto. Kathleen Durst foi vista pela última vez em 1982.Ele notificou o desaparecimento, dizendo a polícia que ela tinha planejado uma visita a Nova York, saindo de Westchester, um subúrbio chique da cidade. A investigação fracassou por falta de pistas, mas o caso acabou sendo reaberto em 1999.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.