Militante graduado da Al Qaeda é morto por drone dos EUA no Iêmen

Uma autoridade de alto escalão da Al Qaeda procurada pelos Estados Unidos e um líder local de uma afiliada do grupo militante, a Ansar al-Sharia, foram mortos no Iêmen em um ataque com drone de terça para quarta-feira, informaram fontes tribais nesta quarta-feira.

REUTERS

05 Novembro 2014 | 11h20

Nabil al-Dahab, líder do Ansar al-Sharia na província iemenita de Al-Bayda, foi morto juntamente com quatro outros membros da Al Qaeda, incluindo Shawki al-Badani, disseram as fontes. Badani lidera a Al Qaeda na Península Arábica e também é procurado pelos norte-americanos.

O Departamento de Estado dos EUA apontou Badani como “terrorista global”, afirmando que ele está ligado a pelo menos dois complôs contra a embaixada dos EUA em Sanaa e um atentado suicida de 2012 na capital do Iêmen que matou mais de 100 soldados.

Uma publicação de 17 de junho deste ano no site do departamento declara que o governo iemenita ofereceu uma recompensa de 100 mil dólares por informações sobre Badani, e que autoridades do país o descreveram como “um dos mais perigosos terroristas afiliados à Al Qaeda”.

Ataques com drones norte-americanos mataram no mínimo 10 supostos militantes da Al Qaeda na terça-feira no centro do Iêmen, onde os combates entre membros do Ansar al-Sharia e do grupo xiita rebelde houthi também mataram 10 pessoas, disseram as tribos.

Os confrontos irromperam em várias partes do Iêmen desde que os houthis passaram a impor seu domínio nos últimos meses, ameaçando a frágil estabilidade do país.

Forças houthis tomaram Sanaa em setembro e se disseminaram no centro e no oeste da nação, o que irritou tribos sunitas e militantes da Al Qaeda, que os veem como hereges.

(Por Mohammed Ghobari)

Mais conteúdo sobre:
IEMENALQAEDAMORTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.