Militante suicida mata 16 soldados e fere 50 no Iraque

Terrorista conseguiu driblar a segurança de base iraquiana e detonar explosivos em cantina

Associated Press e Efe,

16 de abril de 2009 | 08h50

Um militante suicida entrou em uma base militar iraquiana nesta quinta-feira, 16, e detonou os explosivos que levava ao corpo, provocando a morte de pelo menos 16 soldados e ferindo cerca de 50, informou um oficial do Exército do Iraque.

 

Sob a condição de anonimato, o oficial disse que a base situa-se em Habbaniya, aproximadamente 70 quilômetros a oeste de Bagdá, e é operada em conjunto por soldados iraquianos e americanos. De acordo com a fonte, antes de detonar os explosivos, o homem-bomba ingressou na base e dirigiu-se até um grupo de soldados que iam até uma cantina.

 

Todas as vítimas são membros do Exército iraquiano, que estavam comendo no restaurante no momento do atentado. Também não se sabe como o homem-bomba conseguiu passar pela segurança. Segundo uma fonte policial, suicida conseguiu se infiltrar na cantina disfarçado de soldado iraquiano.

 

Nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque, mas ações suicidas são uma tática comum da Al-Qaeda no Iraque e de outras agremiações extremistas que atuam no país. Este atentado é o mais recente de uma série de violentos ataques que se concentraram, especialmente, em Bagdá e arredores nas últimas semanas, após um período de relativa calma.

 

Entre os atentados mais graves, está o de quarta-feira em Kirkuk, 250 quilômetros ao norte de Bagdá, que causou a morte de 11 pessoas e feriu 23. Além disso, há cinco dias, na cidade de Iskandariya, 50 quilômetros ao sul da capital, nove pessoas morreram e outras 32 ficaram feridas devido ao ataque a um quartel misto de milicianos tribais e do Exército iraquiano. Na sexta-feira passada, cinco soldados americanos morreram em outro atentado contra uma base conjunta do Exército dos EUA e da Polícia iraquiana em Mossul, no norte do Iraque, no qual morreram também dois militares iraquianos.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.