Omar Sobhani/Reuters
Omar Sobhani/Reuters

Militantes atacam centro da capital do Afeganistão

Série de explosões e tiros puderam ser ouvidos no distrito que abriga embaixadas em Cabul

AE, Agência Estado

13 Setembro 2011 | 08h18

CABUL - Quatro ou cinco militantes do Taleban estavam disparando nesta terça-feira de vários andares de um prédio em Cabul, em um ataque contra alvos como a sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na capital do Afeganistão, informou a polícia.

 

Segundo o chefe de investigações criminais da polícia, Mohammad Zahir, o confronto está em andamento e os militantes possuem morteiros, foguetes e outras armas de fogo.

As forças de segurança afegãs reagiam ao ataque. A sede da Otan em Cabul fica perto da embaixada dos Estados Unidos na cidade. O Taleban reivindicou o ataque e informou que tinha vários alvos. Segundo um repórter da France Presse, o ataque começou com uma ação suicida contra prédios da inteligência local e estrangeira.

A ação é uma lembrança da instabilidade que continua a afetar o Afeganistão, após quase uma década da invasão dos EUA que derrubou o Taleban, depois dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

A polícia informou que homens armados estavam disparando de um edifício alto em construção na praça Abdul Haq, que fica a cerca de 300 metros da embaixada norte-americana. Há várias outras missões estrangeiras na área.

Pelo menos um foguete caiu no prédio da Tolo TV, uma emissora privada, e outro perto de uma minivan que levava crianças para a escola. Pelo menos quatro afegãos se feriram, segundo repórteres da Associated Press no local. Um porta-voz do Taleban, Zabiullah Mujahid, disse que havia suicidas atacando soldados afegãos e estrangeiros na área. Segundo ele, suicidas atacavam os escritórios do serviço de inteligência afegão. Há relatos sobre crianças feridas que foram retiradas após serem atingidas por um foguete, disseram testemunhas.

O Taleban lidera uma violenta insurgência no Afeganistão. Há atualmente cerca de 140 mil soldados estrangeiros no país.

Mais conteúdo sobre:
Afeganistãoviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.