Militantes atacam sede estatal antes de eleição na Nigéria

Militantes atacaram prédios do governo estatal na região petrolífera da Nigéria nesta sexta-feira, 20, poucas horas antes de uma eleição presidencial que, para os partidos de oposição, já está sendo manipulada. O fotógrafo da Reuters George Esiri afirmou que explosões e fogo pesado ocorriam perto da sede do governo do Estado de Bayelsa, na região produtora de petróleo do país. "O chão está tremendo", disse. O ataque parece ter sido programado para coincidir com a eleição de sábado no país mais populoso da África e oitavo maior exportador de petróleo do mundo. O governador de Bayelsa, Goodluck Jonathan, é candidato governista à Vice-Presidência pelo Partido Democrático do Povo (PDP), que é acusado pela oposição de manipular as eleições. A região é habitada pelo grupo étnico Ijaw, que está à frente de uma insurgência contra o governo federal por maior autonomia e participação nas receitas obtidas com o petróleo. A exportação de petróleo da Nigéria está um quinto menor há mais de um ano por causa de ataques a instalações de empresas ocidentais. A violência recente deve aumentar a preocupação sobre a eleição de sábado, o que dá impulso aos preços do petróleo. Os partidos de oposição afirmaram nesta sexta-feira que a manipulação de votos começou às vésperas da corrida presidencial, mas as autoridades negaram que as urnas tenham sido adulteradas. Observadores testemunharam diversas formas de manipulação na eleição regional, no último sábado, e disseram que muitos dos resultados não refletiram a vontade popular.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.