Militantes do Abu Sayyaf rejeitam retirada parcial de tropas

Grupo não vai libertar os três reféns da Cruz Vermelha sequestrados em 15 de janeiro

AE-AP,

29 de março de 2009 | 03h09

Militantes do grupo radical islâmico Abu Sayyaf, ligado à rede terrorista Al-Qaeda, rejeitaram uma retirada parcial de forças do país da região de sua fortaleza na selva e não vão libertar nenhum dos três reféns da Cruz Vermelha, sequestrados em 15 de janeiro.

 

O governador da província de Sulu, Abdusakur Tan, disse que o comandante do Abu Sayyaf, Albader Parad, lhe afirmou por telefone, neste domingo, que uma saída limitada das forças da ilha de Jolo, no sul do país, não era aceitável. Tan disse que o grupo islâmico insiste na retirada total. Com isso, é incerto o destino dos três reféns - um filipino, um italiano e um suíço - que foram ameaçados de decapitação.

Tudo o que sabemos sobre:
RETIRADATROPASAL-QUAEDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.