Militantes do Taleban matam 100, ao menos 15 decapitados

Grupo radical luta para obter o controle do distrito de Ajrestan, na Província de Ghazni, e montar base para atacar áreas vizinhas

GHAZNI, AFEGANISTÃO, O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2014 | 02h02

Um ataque de combatentes do Taleban a Ajrestan, na Província de Ghazni, provocou a morte de quase cem pessoas na noite de quinta-feira, de acordo com informações divulgadas ontem por autoridades locais. Ao menos 15 das vítimas foram decapitadas pelos rebeldes e mais de 50 casas foram incendiadas.

O governo da Província de Ghazni, que fica a sudeste de Cabul, perdeu contato com a polícia no distrito de Ajrestan, de acordo com Asadullah Safi, subchefe da polícia local. A principal rodovia que liga Cabul ao sul do Afeganistão, onde o Taleban tem feito avanços nos últimos meses, passa pela província. "Se não houver ajuda urgente do governo central o distrito vai desmoronar", disse Safi.

A batalha por Ajrestan ilustra os graves desafios enfrentados pelo novo governo do Afeganistão e suas forças de segurança para proteger o território, ao mesmo tempo em que as tropas estrangeiras se preparam para deixar o país no fim do ano.

Safi disse que um carro-bomba explodiu em um posto policial um dia antes de as autoridades provinciais perderem contato com Ajrestan.

O ataque que envolveu cerca de 700 combatentes do Taleban começou há cerca de cinco dias e os primeiros relatos informam que mais de 100 pessoas foram mortas pelos militantes, segundo o vice-governador da Província de Ghazni, Ahmadullah Ahmadi.

Os militantes procuram recuperar áreas importantes de produção de ópio, como a Província de Helmand, no sul, e áreas onde têm apoio, como a Província de Kunduz, no norte.

O controle do distrito de Ajrestan, a cerca de 200 km de Cabul, poderia garantir ao Taleban uma base de ataques às duas províncias vizinhas e à rodovia que conecta Cabul à segunda maior cidade afegã, Kandahar. / AP e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
AfeganistãoTalebanGhazni

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.