Militantes islâmicos atacam mais duas bases no Paquistão

Exército paquistanês diz que insurgentes deixaram forte ocupado; 27 soldados estão mortos ou desaparecidos

Agências internacionais,

17 de janeiro de 2008 | 08h47

Militantes islâmicos atacaram duas bases militares paquistanesas com foguetes e pequenas armas de fogo um dia após tomarem um forte na região da fronteira com o Afeganistão e deixaram 27 soldados mortos ou desaparecidos, autoridades confirmaram nesta quinta-feira, 17. Morteiros aparentemente lançados pelo Exército em uma região remota atingiu várias casas, matando pelo menos quatro civis, entre eles duas mulheres, e ferindo outras 13 pessoas, segundo relataram residentes e oficiais da inteligência. Ele pediu anonimato por não ser autorizado a falar com a imprensa. Insurgentes atacaram uma base no Waziristão do Sul ainda na noite de quarta-feira. Não foram registradas mortes. O segundo ataque aconteceu em Kamra, a 50 quilômetros da capital Islamabad, também sem vítimas. Maulvi Muhammad Umer, porta-voz do Taleban, alertou o governo de que serão promovidos mais ataque se os prisioneiros do grupo não forem libertados e as operações na região da fronteira com o Afeganistão não forem suspensas. "Nós não nos importamos se o Taleban e as forças de segurança lutam entre si, mas eles deveriam tomar cuidado com a população local e evitar ataques indiscriminados, atingindo casas e matando mulheres e crianças inocentes", disse um morados da vila de Kotakai. A tomada do forte de Sararogha foi a maior dificuldade enfrentada pelas Forças de Segurança paquistanesas, desgastando ainda mais a imagem de que o governo - aliado dos Estados Unidos -, não tem o controle da região da fronteira, onde estão os militantes ligados ao grupo terrorista Al-Qaeda e ao Taleban. Pelo menos oito soldados foram mortos no incidente de quarta, e os militares afirmaram que os insurgentes deixaram a base ocupada nesta quinta-feira. O Exército diz que 40 rebeldes foram mortos, enquanto o grupo islâmico diz que apenas dois morreram.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.