Militantes líbios querem vingar prisão de líder da Al-Qaeda

Mensagens propõem sequestro de americanos em Trípoli e ataques contra aviões e navios

O Estado de S. Paulo,

08 de outubro de 2013 | 15h42

DUBAI - Militantes líbios propuseram nesta terça-feira, 8, sequestrar cidadãos americanos em Trípoli e realizar ataques a gasodutos, navios e aviões para vingar a prisão de um alto membro da Al-Qaeda. Nazih al-Ragye, mais conhecido como Abu Anas al-Liby, foi capturado no sábado 5 por forças especiais dos EUA na Líbia.

Al-Liby é suspeito de envolvimento nos atentados de 1998 contra as embaixadas americanas no Quênia e na Tanzânia, que mataram 224 civis. Segundo autoridades dos EUA, ele é mantido a bordo de um navio da Marinha americana no mar Mediterrâneo.

Mensagens de militantes líbios divulgadas na internet e monitoradas pelo serviço Site incluem uma página do Facebook chamada "Benghazi está protegida por seu povo". Ela sugere que os líbios fechem os acessos à capital e sequestrem cidadãos dos EUA e de países aliados, para poder trocá-los por militantes presos.

O texto propõe ainda ações contra os dutos que exportam gás para a Europa e ataques contra aviões e navios. "A Líbia hoje ainda é um lugar de descrença, que está dominada por algo além da sharia (lei islâmica) de Alá. Portanto, não há segurança para os descrentes aqui", disse a mensagem.

Em outro texto, postado em fóruns e redes sociais, o grupo intitulado "Os Revolucionários de Benghazi - Al Bayda, Derna" condenou a captura do dirigente da Al-Qaeda. A mensagem acusa os governantes líbios de terem conhecimento prévio da operação, embora o primeiro-ministro Ali Zeidan tenha dito no fim de semana que seu governo cobrou explicações de Washington.

Desde a deposição do ditador Muamar Kadafi, em 2012, militantes islâmicos - inclusive grupos ligados à Al-Qaeda - usam o território líbio para contrabandear armas e como base para combatentes. As autoridades americanas ofereciam uma recompensa de US$ 5 milhões pela captura de Al-Liby./ REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaEUAAl-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.