Militantes mantêm reféns após atacar base do Exército

Militantes islâmicos mantinham entre dez e 15 reféns em um quartel-general do Exército paquistanês, após um ataque ao complexo que deixou dez mortos. Entre os mortos, estavam seis soldados paquistaneses, incluindo dois oficiais, e quatro militantes, segundo o major-general Athar Abbas.

AE-AP, Agencia Estado

10 de outubro de 2009 | 15h36

Após o ataque, Abbas havia dito ao canal de TV Geo que a situação estava sob controle. Mais de uma hora depois, no entanto, sons de tiros vindos de dentro do quartel foram ouvidos e o oficial confirmou que outros militantes haviam conseguido se infiltrar e fazer os reféns.

Um fotógrafo da Associated Press que estava próximo ao local, na cidade de Rawalpindi, nos arredores da capital Islamabad, confirmou que tiros esporádicos estavam sendo disparados dentro do quartel.

O ataque começou quando os militantes, vestidos com uniformes militares e fortemente armados, foram até o complexo militar em uma van branca e começaram a atirar, disse Abbas.

O grupo militante Taleban assumiu a responsabilidade pelo atentado, segundo a mídia local. Este foi o terceiro grande ataque de militantes no Paquistão em uma semana. O governo paquistanês disse recentemente estar planejando uma ofensiva contra redutos de militantes islâmicos na região montanhosa perto da fronteira com o Afeganistão. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoofensiva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.