Militantes mortos planejavam ataque, diz Arábia Saudita

Dois homens que foram mortos em um tiroteio na Arábia Saudita eram conhecidos militantes da Al-Qaeda e carregavam explosivos e vestimentas suicidas para usar em um ataque iminente, informou o governo saudita neste domingo. Autoridades do país prenderam seis iemenitas na província de Jizan na última terça-feira e estão a procura de mais pessoas que estariam envolvidas no planejado ataque, de acordo com o Ministério do Interior saudita.

AE-AP, Agencia Estado

18 de outubro de 2009 | 20h11

O Ministério afirmou que os dois homens, junto com seu motorista, capturado depois do tiroteio, entraram na Arábia Saudita vindos o Iêmen. Eles carregavam explosivos RDX, rifles Kalashnikov, granadas, pistolas e quatro roupas usadas em ataques suicidas no carro quando foram interceptados. "Eles entraram no território saudita a partir da fronteira para realizar um ato criminoso iminente", disse o governo.

O porta-voz do Ministério, general Mansur al-Turki, afirmou que ainda não há detalhes disponíveis sobre os alvos do planejado ataque. "A investigação ainda está em andamento. Ainda estamos procurando mais." Os dois homens mortos, identificados como Yousef al-Shehri e Raed al-Harbi, eram sauditas que haviam sido incluídos em uma lista que o governo de Riad entregou à Interpol no início deste ano com 85 pessoas procuradas por supostamente serem associadas da Al-Qaeda. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
terrorismoAl-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.