Militar da reserva que criticou Kirchner é preso

Um militar da reserva que criticou o presidente Néstor Kirchner e os atuais comandantes do Exército argentino foi punido com 15 dias de prisão, informa a agência Noticias Argentinas. O Exército não confirmou nem desmentiu a informação. O militar punido é o capitão da reserva Federico Cornejo Castellanos, que em uma carta a um jornal local afirmou que Kirchner "está imbuído de espírito revanchista", da mesma forma que os novos comandantes do serviço armado. Kirchner se manifestou a favor do processo judicial de militares que cometeram violações de direitos humanos. Também parece disposto a anular um decreto que proíbe a extradição de militares argentinos acusados do mesmo delito em tribunais estrangeiros. Em um trecho de sua carta de leitor, Castellanos afirmou que Kirchner "está rodeado por militares dos movimentos subversivos do passado e está empenhado em reabrir feridas profundas que a sociedade, em seu conjunto, já havia começado a cicatrizar".

Agencia Estado,

16 Julho 2003 | 18h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.