Militar provoca crise política na Argentina

Cristina nomeia chefe do Exército acusado de tortura e assassinato durante a ditadura

ARIEL PALACIOS, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES , O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2013 | 02h07

O governo da presidente Cristina Kirchner foi atingido por uma inédita crise política no setor de direitos humanos, área que havia sido uma das principais bandeiras de seu governo. O pivô das turbulências é o general César Milani, militar de longa experiência na área de inteligência, escolhido pela presidente para comandar o Exército. Segundo denúncias, Milani, em 1975 e 1976, teria participado de sequestros, torturas e desaparecimento de civis.

A presidente, em rede nacional, respaldou Milani e garantiu seu general de confiança no posto. Cristina, em uma atitude inédita, pediu "união nacional" e criticou os que tentam jogar os militares contra os civis.

Milani, designado há um mês como chefe do Exército, é suspeito de ter colaborado com a repressão nas províncias de Tucumán e La Rioja, em 1975, na "Operação Independência", campanha realizada pelas Forças Armadas no final do governo de Isabelita Perón, para eliminar pessoas suspeitas de subversão. Na época, ele era subtenente e teria continuado com tarefas de inteligência na repressão a civis em 1976, após o golpe de Estado.

Além disso, Milani é suspeito de vínculos com os militares "carapintadas", da direita nacionalista, que protagonizaram levantes nos quartéis nos anos 80. A oposição, desconfiada da compra de uma mansão por parte de Milani, encaminhou um pedido a promotores federais para que o investiguem por enriquecimento ilícito.

Cristina pretendia promovê-lo a tenente-general, o que exigiria aprovação do Senado. Diante da resistência da oposição, ela decidiu adiar a promoção para depois das eleições parlamentares de outubro.

O escândalo s começou quando líderes da União Cívica Radical (UCR), de oposição, indicaram que o militar havia integrado tarefas de repressão em Tucumán. Aliados do governo alegaram que Milani, na época, trabalhava longe dali, na Província de La Rioja. No entanto, a oposição provou que ele havia sido deslocado pelo Exército para Tucumán.

Milani é suspeito do desaparecimento do soldado Alberto Ledo, em Tucumán, em 1976, e de torturas e prisão ilegal de Ramón Olivera, em La Rioja, em 1977.

A UCR também acusa o secretário de direitos humanos, Juan Fresneda, de não ter entregado informações sobre as supostas violações cometidas por Milani no relatório preparado sobre a promoção do militar. As revelações provocaram uma crise nas fileiras do kirchnerismo, que se dividiu sobre o passado de Milani e sobre sua permanência no cargo.

Direitos humanos. O senador Gerardo Morales, da UCR, acusou a presidente de "sustentar um genocida que sequestrou e admitiu ter assinado um documento de deserção para legalizar o desaparecimento do soldado Alberto Ledo". Segundo deputados da oposição, manter Milani no comando do Exército demonstra as "duas caras do governo no que concerne os direitos humanos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.