Militares acreditam que soldado israelense que desapareceu está morto

Hamas anunciou ter capturado um soldado no domingo, mesmo dia em que o militar desapareceu; Israel divulgou sua identidade

O Estado de S. Paulo

22 Julho 2014 | 09h38

(Atualizada às 11h55) JERUSALÉM - O sargento israelense Oron Shaul, de 21 anos, membro da unidade da Brigada de Golan, está desaparecido na Faixa de Gaza, confirmou o Exército nesta terça-feira, 22. Militares israelenses consideram que o soldado pode estar morto, informou a imprensa de Israel.

Citando fontes das Forças Armadas israelenses, a imprensa disse que o militar desapareceu na madrugada de sábado para domingo, quando um blindado foi atacado com um foguete. Sete soldados da Brigada Golan morreram.

Segundo a emissora de TV israelense Canal 10, os militares acreditam que Shaul esteja entre os sete mortos. Até esta terça o Exército identificou apenas seis corpos.

No domingo 20, o Hamas anunciou ter capturado um soldado israelense, mas não disse se ele estava vivo ou morto. As Brigadas "Azedim al-Qassam", braço armado do Hamas, identificou o soldado capturado como Shaul Arón e informou o número de placa do Exército.

Abu Ubaida, porta-voz do braço militar do Hamas, afirmou que o soldado foi capturado em combates na fronteira de Gaza.

Israel iniciou na quinta-feira 17 uma ampla ofensiva terrestre na Faixa de Gaza. O conflito já matou quase 586 palestinos, a maioria civil, e 29 israelenses, sendo 27 soldados.

Nos cinco dias da ofensiva terrestre, as Forças Armadas israelenses descobriram 66 entradas de 23 túneis que conduziam ao seu território. A localização e destruição dos túneis é um dos objetivos prioritários da operação e uma das razões alegadas por Israel para iniciar a incursão com tropas de infantaria.

A operação também pretende debilitar as infraestruturas de lançamento de foguetes do Hamas e outros grupos armados. Para isso, 2.925 alvos em Gaza foram atingidos, 1.388 deles somente durante a fase terrestre. /EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
IsraelGazapalestinosHamas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.