Militares britânicos negam responsabilidade em mortes em Basra

Fontes militares do Reino Unido negaram neste domingo que os civis que morreram na sexta-feira durante os violentos incidentes ocorridos em Basra após a queda de um helicóptero britânico foram mortos por soldados do país.As fontes disseram à emissora BBC que o mais provável é que os civis tenham sido vítimas dos disparos efetuados contra as forças britânicas por militantes iraquianos ou de um ataque com morteiro, algo que não foi confirmado oficialmente.Os soldados que foram ao local da queda, no centro de Basra, onde o helicóptero caiu, afirmaram ter sido atacados por armas de fogo de pequeno calibre e por morteiros, o que os obrigou a disparar com munição real, segundo o ministro da Defesa britânico, Des Browne.O general John Cooper, comandante das forças britânicas no Iraque, assegurou que seus homens não dispararam contra a multidão e se limitaram a efetuar disparos para dispersar os agressores.Cooper afirmou que entraria em contato com autoridades iraquianas para tentar investigar o ocorrido. Ele descreveu o fato como uma reação a um incidente violento. "São coisas que acontecem". Cinco civis morreram nos distúrbios de sexta-feira, entre eles duas crianças, e cerca de 30 pessoas ficaram feridas.As autoridades decretaram um toque de recolher até a manhã deste domingo para tentar acalmar os ânimos e controlar a situação, segundo fontes britânicas.O governo de Londres ainda não revelou a identidade dos militares britânicos mortos na queda do helicóptero. A hipótese mais provável é que o aparelho tenha sido abatido por um míssil.O ministro da Defesa disse que no máximo cinco militares viajavam no helicóptero, mas não deu mais detalhes porque antes deveria informar a seus familiares.As cenas de júbilo da multidão iraquiana após a queda do helicóptero e a violência desatada contra os militares britânicos que foram ao local para isolar a área e investigar o incidente causaram um forte impacto na Grã-Bretanha pela crescente hostilidade mostrada contra a presença de forças britânicas no Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.