Militares chilenos são condenados por sequestro de militante na ditadura

Corte de Apelações de Santiago condenou cinco membros da cúpula da polícia política do regime de Pinochet

estadão.com.br,

09 de novembro de 2011 | 16h34

SANTIAGO - Os líderes máximos da Direção de Inteligência Nacional (Dina), a polícia secreta do Chile na ditadura durante o regime de Augusto Pinochet, foram condenados a 15 anos de prisão e sem benefícios por causa do sequestro qualificado em 1974 de Sergio Riveros.

 

O juiz da Corte de Apelações de Santiago, Alejandro Solís, condenou em primeira instância os ex-militares Manuel Contreras, Miguel Krassnoff, Marcelo Moren, Basclay Zapata e Nelson Paz.

 

Riveros, militante do Partido Comunista, foi detido em 15 de agosto de 1974, em sua residência por agentes do grupo Falcão, da Dina. Ele foi levado à prisão clandestina e centro de torturas Londres 38, onde foi visto por várias testemunhas. Desde esta data, não houve mais notícias de seu paradeiro.

 

Os agentes estavam acompanhados de Luz Arce, ex-militante socialista que se tornou colaboradora dos aparatos repressivos após sua prisão e que informou os militares sobre a identidade e o paradeiro de Riveros.

 

Porém, em 1990, ela desertou da Dina e começou a fazer uma série de denúncias e prestou depoimento em diversos julgamentos sobre desaparecidos da ditadura.

 

Com Ansa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.