Militares colombianos se apropriaram de dinheiro das Farc

O governo colombiano julgará por delito de traição à pátria um grupo de 147 militares que roubaram o equivalente a US$ 14.285 que pertenciam à guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), embora haja versões de que foram vários milhões. O ministro do Interior, Fernando Londoño, afirmou queestes militares (40 dos quais já estão detidos) "traíram oexército, traíram a fé que os colombianos depositam neles,traíram a honra da Colômbia".O dinheiro foi encontrado em 18 de abril em uma zonarural do município de San Vicente del Caguán, no departamento (estado) de Caquetá, a 280 km ao sul de Bogotá, região que fez parte da zona desmilitarizada implantada pelo ex-presidente Andrés Pastrana para promover o diálgo com o maior grupo guerrilheiro do país.Os militares investigados pertenciam a uma unidade debrigada móvel que prestava serviços de vigilância e controle em San Vicente; eles se apropriaram do dinheiro encontrado no local. "Fala-se em milhões de dólares, mas isto ainda não foiconfirmado", disse o comandante do exército, general CarlosAlberto Ospina Ovalle.O comandante explicou que as suspeitas foram levantadasquando a grande maioria destes militares decidiu inesperadamente passar para a reserva, outros desapareceram e outros ainda começaram a comprar coisas para suas casas. "Uma parte do dinheiro foi recuperado e outra foidevolvida porque vários deles se arrependeram", disse o general em declarações à imprensa. O ministro Londoño qualificou o ato de corrupção dosmilitares como "muito doloroso e muito triste; são essesacidentes inevitáveis neste caminho de luta contra organizações economicamente poderosas". "De qualquer modo, o exército é grande, é probo, saberespeitar suas tradições - e, ao mesmo tempo, vejo com pesar que alguns o traem", disse Londoño.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.