AP Photo/Olamikan Gbemiga File
AP Photo/Olamikan Gbemiga File

Militares da Nigéria são responsáveis pela morte de 8 mil presos, diz Anistia Internacional

Exército nigeriano, que combate a insurgência do grupo Boko Haram, nega as acusações

O Estado de S. Paulo

03 de junho de 2015 | 18h24

LONDRES - Mais de 8 mil pessoas morreram sob custódia das Forças Armadas da Nigéria durante a campanha contra o grupo militante Boko Haram, denunciou a Anistia Internacional nesta quarta-feira. Os militares negaram a acusação.

O grupo de direitos humanos disse que muitos prisioneiros foram executados e outros morreram por causas como fome, superlotação, tortura e falta de assistência médica.

A insurgência do Boko Haram, que já dura seis anos, matou milhares de pessoas e desalojou 1,5 milhão. O grupo quer estabelecer um califado islâmico no nordeste da Nigéria, a maior economia da África, que também é uma grande exportadora mundial de petróleo.

O novo presidente do país, Muhammadu Buhari, prometeu derrotar o Boko Haram e manteve conversações nesta quarta-feira com seus colegas do Níger e do Chade sobre as melhores maneiras de lidar com a insurgência.

Os militantes controlavam no começo do ano uma grande faixa territorial, do tamanho da Bélgica, mas perderam boa parte disso nos últimos meses em razão dos esforços combinados de tropas da Nigéria e dos vizinhos Níger, Chade e Camarões. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
NigériaAnistia Internacionalpresos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.