Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Ukrainian Defence ministry press-service/AFP
Ukrainian Defence ministry press-service/AFP

Militares da Ucrânia são criticados por fazerem alunas de instituto marcharem de salto 

Fotos geraram duras críticas nas redes sociais e protestos no Parlamento, em Kiev

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2021 | 18h11

KIEV - As autoridades ucranianas foram criticadas nesta sexta-feira, 2, por fazerem estudantes mulheres marcharem de salto em vez de botas de combate durante um desfile militar planejado para agosto. O escândalo veio à tona após a publicação, pelo Ministério da Defesa, das fotos de um ensaio do desfile, organizado por ocasião do 30º aniversário da independência da Ucrânia, em 24 de agosto.

Nas imagens, publicadas na página no Facebook do ministério, é possível ver as mulheres, alunas de um instituto militar em Kiev, marchando uniformizadas e com sapatos pretos de salto médio, que fazem parte, segundo a pasta, do uniforme feminino para desfilar.

“Hoje ensaiamos com salto pela primeira vez. É um pouco mais difícil do que com botas, mas fazemos o possível”, disse uma das participantes, Ivanna Medvid, citada pela ArmiaInform, órgão oficial do Ministério da Defesa.

De acordo com os militares, o desfile militar na capital da Ucrânia prevê uma seção feminina independente representada pelas cadetes do instituto. Assim, as jovens têm três meses para exercitar a marcha duas vezes ao dia - num total de quatro horas diárias.

Além disso, de acordo com os militares, as mulheres têm de praticar um novo estilo de marcha padrão sob o qual elas têm de erguer os pés entre 10 e 15 centímetros em vez de 15 e 20 centímetros de acordo com os regulamentos antigos, segundo noticiou o Kiev Post.

As fotos geraram duras críticas nas redes sociais e protestos no Parlamento. “Saltos. Isso é uma afronta às mulheres e imposta pela indústria da beleza”, comentou a internauta Maria Shapranova na publicação do Ministério da Defesa, que denunciou sexismo e misoginia. O ministério desabilitou os comentários em sua página no Facebook.

Vários deputados ucranianos próximos do ex-presidente Petro Poroshenko colocaram saltos altos na frente do ministro da Defesa, Andriy Taran, presente no Parlamento, e o propuseram usá-los para ir ao desfile.

A deputada do partido Golos, Inna Suvsun, denunciou no Facebook o que chamou de ideia idiota que incorpora estereótipos sobre o papel das mulheres como, segundo suas palavras, bonecas bonitas.

A vice-presidente do Parlamento, Olena Kondratiuk, exigiu que as autoridades se desculpem publicamente por esta humilhação das mulheres que defendem a independência da Ucrânia com armas.

Mais tarde, Maryna Bardyna, uma legisladora da facção Servant of the People, de 244 membros, disse que havia conversado anteriormente com o ministro da Defesa, que teria dito a ela que haverá sapatos diferentes durante o desfile. No entanto, o Ministério da Defesa não confirmou nenhuma mudança nos uniformes introduzida como resultado do escândalo.

As forças armadas ucranianas têm mais de 31 mil mulheres, incluindo 4,1 mil oficiais. Mais de 13,5 mil ucranianos lutaram contra separatistas pró-russos no leste do país desde o início deste conflito armado, sete anos atrás, de acordo com Kondratiuk./Com AFP 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.