Militares das duas Coréias trocam empurrões em reunião

Delegações de Seul e Pyongyang discutem por uso de projetor durante apresentação diante da imprensa

Efe,

13 de dezembro de 2007 | 08h01

Militares das duas Coréias deixaram claro nesta quinta-feira, 13, que a tensão ainda é alta entre os países, trocando empurrões diante da imprensa no ato de abertura do segundo dia de reunião de generais sobre segurança na fronteira.   Segundo a agência sul-coreana Yonhap, o incidente aconteceu quando a delegação norte-coreana quis utilizar um projetor para explicar aos jornalistas sua postura sobre a criação de uma área de pesca comum no Mar Amarelo, a oeste da península.   Os representantes sul-coreanos protestaram contra o uso do aparelho. Para eles, a exposição violava o princípio de manter a reunião militar a portas fechadas.   Os oficiais da Coréia do Norte chegaram a projetar um mapa com a delimitação da área de pesca em debate. Enquanto isso, os vizinhos do Sul protestavam, pedindo que se desligasse o aparelho.   Nesse momento de tensão, um militar sul-coreano tentou desligar a tomada do projetor. Um membro da comitiva norte-coreana o impediu, com dois empurrões.   Segundo a Yonhap, o confronto entre os oficiais das duas Coréias terminou ali. Mas foi um reflexo das desavenças e desconfianças que ainda existem na fronteira.   Uma conseqüência da disputa foi um atraso de meia hora na abertura da segunda sessão do encontro de militares. As reuniões começaram na quarta, na zona fronteiriça desmilitarizada de Panmunjom, e terminarão nesta sexta-feira.   Antes do incidente, o chefe da delegação norte-coreana, o general Kim Yung-chol, tinha se queixado de que a Coréia do Sul tinha revelado de forma "unilateral" o acordo de segurança para o complexo industrial de Kaesong, acertado no primeiro dia de reunião.   As principais divergências entre as duas Coréias durante as conversas entre os militares estão no estabelecimento de uma área de pesca comum no Mar Amarelo. Os dois Governos disputam a soberania sobre a área.

Tudo o que sabemos sobre:
Coréia do NorteCoréia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.