Ebrahim Hamid / AFP
Ebrahim Hamid / AFP

Militares do Sudão se comprometem a 'aplicar' acordo de transição

Região está em conflito desde abril; Conselho Militar e manifestantes civis atingiram acordo nesta sexta-feira, 5

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2019 | 04h37

CARTUM, SUDÃO - O Conselho Militar no poder do Sudão prometeu neste sábado, 6, "aplicar" e "preservar" um acordo alcançado com as lideranças dos protestos, que define as principais linhas da futura fase de transição e que levou os manifestantes a suspenderem a campanha de desobediência civil.

"O Conselho Militar se compromete a preservar o acordado, e a velar por sua aplicação", informou em um discurso televisionado o chefe do Conselho Militar de transição, Abdel Fatah al Burhan.

Os generais e as lideranças dos protestos aceitaram na última sexta uma presidência alternativa à frente de um "Conselho Soberano", a futura instância encarregada de dirigir uma transição política durante três anos.

A iniciativa, auspiciada por mediadores da Etiópia e da União Africana, representa uma distensão após vários meses de embates, que levaram à destituição pelo exército do presidente Omar al Bashir, em abril.

O Conselho Soberano será composto por cinco militares e seis civis, cinco deles vindos da Aliança pela Liberdade e Mudança, líder dos protestos. Segundo os termos do acordo, os militares irão presidir a transição durante 21 meses e, depois, os civis irão assumir espaço por 18 meses.

Os Estados Unidos celebrou neste sábado a saída encontrada para crise, afirmando que considera uma "etapa importante" para a transição no Sudão.

O texto final do acordo está sendo redigido por um comitê de especialistas, mas deverá estar pronto para ser assinado a partir da próxima semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.