Militares encontram centro de terror químico no Iraque

Militares americanos descobriram um complexo formado por cinco prédios em uma região à oeste de Bagdá onde estavam armazenados tanques de propano e outros químicos, informou um porta-voz do Exército nesta quinta-feira, 22. O local, segundo descrição feita pelo major general Willian Caldwell, estaria sendo utilizado para a montagem de carros-bomba e artefatos com conteúdo químico, como os utilizados recentemente por insurgentes que atuam no Iraque. Nos últimos dois dias, duas bombas armadas com gás de cloro explodiram em pontos distintos do país, matando ao menos 14 pessoas. No final de janeiro, ao menos 16 pessoas morreram em um atentado semelhante. Segundo Caldwell, os ataques com cloro sinalizam uma mudança nas táticas dos insurgentes - o que levou a um novo direcionamento nos alvos das incursões dos militares no Iraque. "O que estamos vendo é uma mudança nas táticas, mas não na estratégia - que continua sendo criar grandes situações de ataque para gerar medo e divisões entre a população iraquiana", disse ele à CNN. "É uma tentativa realmente cruel de aumentar a sensação de terror."O general destacou, entretanto, que o "tiro" pode estar saindo pela culatra, já que cresce o número de denúncias anônimas contra os extremistas e insurgentes.Uma dessas dicas levou as tropas americanas a um complexo de cinco prédios próximo a Faluja, onde foram encontrados cilindros contendo elementos químicos, três veículos-bomba sendo montados - um deles um caminhão -, cerca de 65 tanques de propano "e todos os tipos de químicos comuns", disse Caldwell. Ele disse acreditar que os insurgentes irão tentar misturar os químicos com os explosivos. Na quarta-feira, 21, a explosão de uma caminhonete-bomba armada com cilindros de cloro deixou ao menos cinco mortos e 55 pessoas intoxicadas. Em um episódio semelhante, uma bomba implantada em um caminhão tanque explodiu na terça-feira deixando nove mortos e 150 intoxicados. Quando inalado em baixos níveis, o cloro causa problemas respiratórios e irritações na pele. A níveis mais altos, o gás pode levar à morte.M

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.