Militares impedirão pouso de avião de Zelaya em Honduras

O governo de Honduras ordenou aos militares que impeçam o pouso de aviões que possam estar transportando o presidente deposto, Manuel Zelaya, de volta ao país. No aeroporto de Tegucigalpa, capital hondurenha, o número de soldados supera o de viajantes e a maior parte dos voos comerciais foi cancelada. "O governo do presidente (Roberto) Micheletti ordenou às forças armadas e à polícia que não permitam a entrada de qualquer avião trazendo o ex-líder", afirmou o ministro de Relações Exteriores, Enrique Ortez.

AE-AP, Agencia Estado

05 de julho de 2009 | 13h04

Zelaya, que foi destituído da presidência hondurenha por um golpe militar na semana passada e posteriormente exilado do país, anunciou que pretende retornar a Honduras hoje. Ele disse também que deve ser acompanhado pela presidente da Argentina, Cristina Fernández, pelo presidente do Equador, Rafael Correa, por diversos ministros de relações exteriores e por 300 jornalistas.

Segundo a presidente argentina, no entanto, "foi decidido que OEA acompanhará" Zelaya durante a viagem.

O cardeal Oscar Andrés Rodriguez implorou à Zelaya durante um pronunciamento que não confrontasse o atual governo de Honduras porque seu retorno poderia provocar "um banho de sangue".

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurasgolpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.