Militares instalam junta e general governará Mauritânia

Oficiais renegados do Exército da Mauritânia, que derrubaram hoje o governo em um golpe de Estado, anunciaram a formação de uma nova junta militar a ser liderada pelo chefe da guarda presidencial, Mohamed Ould Abdel Aziz. Durante o golpe, os líderes militares renegados tomaram o palácio do governo e capturaram o presidente e o primeiro-ministro da Mauritânia, informou Abdoulaye Mamadouba, porta-voz do governo deposto. Um breve comunicado lido na televisão estatal mauritana informou que um novo "conselho de Estado" será empossado sob a liderança do general Aziz, mas não forneceu mais detalhes.A ação dos militares começou horas depois de os líderes eleitos do país terem afastado quatro integrantes do alto escalão das Forças Armadas mauritanas, prosseguiu o porta-voz. Não foi divulgada explicação oficial para o afastamento dos comandantes militares, anunciado hoje pela manhã. Entre os afastados estava o comandante do Estado-Maior das Forças Armadas, general Mohamed Ould Sheikh Mohamed.O presidente Sidi Ould Cheikh Abdallahi é mantido refém por soldados no palácio do governo em Nuakchott, a capital, afirmou Mamadouba. Os soldados também detiveram o primeiro-ministro Yahya Ould Ahmed Waqef, disse o porta-voz. As emissoras estatais de rádio e televisão ficaram momentaneamente fora do ar durante o golpe. Testemunhas afirmam que soldados tomaram posições nas ruas da capital. Não há informações imediatas sobre episódios de violência. O governo civil liderado por Abdallahi sucedeu uma junta militar que havia tomado o poder por meio de um golpe em 2005 e se afastado após eleições realizadas dois anos depois.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.