Militares ligados à ditadura são condenados no Chile

Dois ex-militares e um ex-policial acusados do seqüestro e desaparecimento de pessoas após o golpe militar de 1973 no Chile foram condenados a sentenças de 7 a 17 anos de prisão. O juiz especial para casos de violação dos direitos humanos, Alejandro Solís, condenou o coronel reformado do Exército Hugo Alfredo Cardemil, ex-governador militar da cidade de Parral, a 17 anos; o coronel reformado da polícia Paulo Caullier, a 10 anos; e o suboficial reformado do Exército Luis Alberto Hidalgo a 7 anos.Cardemil foi responsabilizado pelo desaparecimento de um menor de idade e de outros 15 presos entre setembro e outubro de 1973 em Parral. Caullier é acusado do seqüestro de oito pessoas e Hidalgo, de 18. Os condenados foram notificados das sentenças e aguardarão as apelações em liberdade condicional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.