Militares matam 25 talibãs em ofensiva no Afeganistão

Estima-se que a violência já matou 3.700 pessoas só neste ano no país

EFE

02 de setembro de 2007 | 11h04

O Exército afegão, em conjunto com tropas lideradas pelos Estados Unidos, matou 25 militantes do Taleban numa ofensiva na região de Kandahar, no sul do Afeganistão, informou neste domingo, 1, o comando americano num comunicado.   A operação aconteceu cerca de 17 quilômetros a sudoeste da cidade de Kandahar, na província de mesmo nome, depois que os militares identificaram dois prédios supostamente utilizados por forças pró-Taleban. Quando as tropas tentaram entrar em um dos edifícios, os insurgentes abriram fogo.   A reação dos rebeldes deu início a um confronto do qual participaram aviões de combate e que se estendeu até o segundo prédio, localizado a cerca de 70 metros do primeiro e que supostamente também era ocupado por insurgentes.   O saldo do confronto foi de 11 mortos no primeiro edifício e de 14 no segundo, destaca o comunicado americano, que diz não ter havido mortos ou feridos entre "não combatentes". A nota acrescenta que, durante o combate, um rebelde se suicidou ao detonar uma bomba, sem causar vítimas entre os homens do Exército afegão ou da coalizão.   No primeiro prédio, os militares encontraram material para a fabricação de bombas, além de armamento pesado, munição e várias câmeras de vídeo.   O comunicado diz ainda que o fato de vários moradores da região terem abandonado suas casas nas últimas semanas chamou a atenção dos militares para a possibilidade de grupos insurgentes estarem tentando se instalar na localidade. No sábado, fontes oficiais já tinham informado que cerca de 50 milicianos morreram desde a noite de sexta-feira, 31, em confrontos com forças afegãs e estrangeiras no leste e no sul do país.   Calcula-se que aproximadamente 3.700 pessoas já perderam a vida este ano no Afeganistão por causa da violência.

Tudo o que sabemos sobre:
TALEBANAFEGANISTÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.