Militares paquistaneses atiram em helicópteros da Otan

Presidente afirma que foram disparados tiros de alerta; EUA confirmam que aeronaves atacadas eram americanas

Agências internacionais,

25 de setembro de 2008 | 11h44

Tropas paquistanesas abriram fogo contra helicópteros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) nesta quinta-feira, 25, na fronteira com o Afeganistão, elevando as tensões entre EUA e Paquistão na região ocupada por militantes do Taleban e da Al-Qaeda. Segundo o presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, os militares dispararam tiros de alerta contra as aeronaves para garantir que elas não entrassem sem permissão no país.   A força da Otan no Afeganistão afirmou que as aeronaves não haviam cruzado o território aéreo paquistanês. Segundo comunicado, o ataque com armas leves ocorreu perto da fronteira, no distrito Tanai, província de Khost, durante "operações de rotina no Afeganistão". O Pentágono afirmou que os helicópteros atacados eram americanos e reiterou que não houve violação do espaço aéreo paquistanês. Bryan Whitman, porta-voz do Pentágono, disse que autoridades militares dos EUA e da Otan estão conversando com militares paquistaneses para descobrir o que aconteceu e garantir que não ocorra novamente." Os paquistaneses têm de nos explicar melhor por que isso aconteceu", completou o porta-voz.   "Foram tiros de alerta, somente para garantir que eles soubessem que cruzaram a fronteira", disse Zardari. "Algumas vezes a fronteira é tão confusa que eles não percebem que foi ultrapassada", disse o presidente afegão antes de participar de um encontro com a secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, que concordou com ele, ressaltando que o limite entre os dois países não é claro. "É um dos lugares mais inóspitos".   As forças dos Estados Unidos lideram uma "coalizão antiterrorista" que opera no Afeganistão, sob comando direto de Washington, e que tem intensificado suas operações contra a insurgência no cinturão tribal paquistanês nas últimas semanas. Geralmente, aviões não tripulados cruzam a fronteira e disparam mísseis contra supostas posições taleban, mas no dia 3 de setembro foi registrada uma incursão de helicópteros no povoado de Angorada, onde 20 pessoas morreram. Esta incursão gerou protesto das autoridades do Paquistão, que ameaçaram retaliar outros ataques em defesa de sua soberania e integridade territorial. Nos últimos dias, soldados e tribos locais paquistaneses impediram duas tentativas de helicópteros americanos de cruzarem a fronteira, embora o Exército tenha negado qualquer envolvimento.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoOtanEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.