Militares pedem que população 'olhe para o futuro' no Egito

Líder interino faz primeiro discurso desde a queda de Mubarak em meio a greves trabalhistas

Associated Press

16 de maio de 2011 | 19h40

CAIRO - O líder militar que governa o Egito interinamente disse nesta segunda-feira, 16, que o povo egípcio deve planejar o futuro, ajudar nas melhorias da segurança interna e trabalhar por uma economia melhor. Foi o primeiro discurso do marechal desde ele assumiu suas funções no governo depois de o presidente Hosni Mubarak ser derrubado por uma revolta popular.

 

Veja também:

especialInfográfico: A lenta agonia de Hosni Mubarak

blog Arquivo: A era Mubarak nas páginas do Estado

lista Perfil: 30 anos de um ditador no poder

 

Segundo Tantawi, a segurança interna e a economia estão ligadas e por isso o militar criticou as greves trabalhistas realizadas no país nos últimos dias. "Vamos deixar o passado de lado. Não esquecê-lo, mas deixá-lo de lado por enquanto para que possamos progredir com toda a energia que tivermos", disse.

 

Os reformistas pressionam a cupular militar para que Mubarak e membros do seu regime sejam processados por corrupção. A mulher do ex-presidente devolveu bens e propriedades ao Estado, o que parece ser uma decisão para remover as acusações de corrupção contra ela, disseram parlamentares. Os bens do ex-ditador são estimados em dezenas de bilhões de dólares.

 

Tantawi lidera o conselho militar que governa o Egito interinamente. O órgão convocou eleições parlamentares para setembro e um pleito presidencial logo depois para a escolha de um governo civil. Os reformistas criticaram a atual gestão por dar continuidade a algumas políticas da era Mubarak, incluindo a prisão de ativistas sem acusações formais.

 

O marechal apelou à população por calma e unidade, condenando veementemente a violência entre cristãos e muçulmanos que já ocorreu diversas vezes desde a queda de Mubarak. Segundo ele, o governo não vai tolerar rixas religiosas e agirá com "punhos de ferro" contra os instigadores dos tumultos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.