Militares proíbem qualquer atividade política na Tailândia

A cúpula militar que deu um golpe de Estado na Tailândia proibiu nesta quinta-feira todas as atividades políticas no país, incluindo as reuniões dos partidos legalmente constituídos. Além disso, a imprensa deve cumprir novas diretrizes em relação à restrição da informação, o que inclui a censura dos comentários que contenham opiniões.O Conselho Administrativo para a Reforma, órgão de governo criado pelos militares após o golpe de Estado cometido na terça-feira, informou em comunicado que "os partidos políticos atuais não serão dissolvidos, mas não podem fazer atividade alguma até novas instruções".Após o golpe de Estado, cometido quando o primeiro-ministro, Thaksin Shinawatra, estava em Nova York para participar da Assembléia Geral da ONU, os chefes militares declararam a lei marcial, anularam a Constituição e dissolveram o Parlamento e o Tribunal Constitucional.Shinawatra é o fundador do partido nacionalista "Thi Rak Thai", no qual venceu as eleições legislativas realizadas em 2 de abril, invalidadas posteriormente pela Suprema Corte, que as considerou "inconstitucionais".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.