Militares recuperam controle de estação de gás na Bolívia

Forças do Exército da Bolívia recuperaram, nesta sexta-feira, 20, o controle da estação que bombeia gás natural para a Argentina e a Polícia Nacional fez o mesmo nas ruas do povoado de Yacuiba, no sul do país, disseram as autoridades.A restauração da jurisdição oficial aconteceu no fim da tarde de sexta-feira, após uma operação militar ordenada pelo presidente do país, Evo Morales, disseram os ministros da Defesa, da Presidência e de Governo (Interior), em entrevista coletiva conjunta no Palácio de Governo.No entanto, à meia-noite, um repórter fotográfico da Efe constatou que os policiais não estavam patrulhando a cidade.Além disso, ainda continuam os pontos de bloqueio da estrada para a Argentina e o Paraguai, erguidos pelos habitantes há mais de uma semana.O ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana, disse que desta forma a exportação de gás natural para a Argentina se normalizará a partir deste sábado."Concluída a operação militar de recuperação, informamos o restabelecimento do fluxo de exportação de gás para a Argentina", afirmou.Fontes da Transredes, subsidiária das multinacionais Shell e Ashmore que opera a estação, disseram à Efe que alguns de seus técnicos, que precisaram fugir para o território argentino após um ataque às instalações, ainda não retornaram.Os militares recuperaram a estação após quase uma semana de cerco e invasão pelos habitantes, que pressionavam o Governo para resolver um conflito de limites com uma província vizinha.O ministro da Defesa, Wálker San Miguel, informou que os militares ocuparam as instalações na comunidade de San José de Pocitos, perto da fronteira com a Argentina. Mas não ofereceu detalhes da operação.San Miguel acrescentou que o restabelecimento da ordem constitucional "implica a devolução da central ao Estado e ao operador". Ele admitiu, porém, que a Transredes ainda se encontra "sem condições operacionais".A estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) havia informado horas antes que a invasão de Yacuiba obrigava a reduzir o envio de gás à Argentina, de 5 milhões para 1,2 milhão de metros cúbicos diários. No caso do Brasil, o fornecimento passaria de 24,6 para 24 milhões de metros cúbicos diários.A Polícia Nacional também voltou a vigiar as ruas de Yacuiba, disse o ministro de Governo, Alfredo Rada, 30 horas depois de o protesto dos habitantes da província Gran Chaco obrigar os agentes a se retirar. A manifestação levou a atos de vandalismo na cidade.Desde terça-feira, os protestos deixaram uma pessoa morta e 24 feridos, inclusive quatro policiais. Vários campos petrolíferos, como o de Margarita, estão sendo vigiados pelo Exército devido às ameaças de ocupação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.