Khalil Hamra/AP
Khalil Hamra/AP

Militares se desculpam, em momento de trégua no Egito

Medida é uma tentativa de aplacar os dezenas de milhares de manifestantes que protestam

AE, Agência Estado

24 de novembro de 2011 | 09h30

CAIRO - Os líderes militares do Egito pediram desculpas nesta quinta-feira, 24, pelas mortes de dezenas de manifestantes pela democracia e se comprometeram a processar os responsáveis, na mais recente tentativa de aplacar os dezenas de milhares de manifestantes que protestam nas ruas para que os generais deixem o poder.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

video TV Estadão: Manifestantes falam sobre eleições

mais imagens GALERIA: Enfretamentos no centro do Cairo

documento Artigo: Entre Teerã de 1979 e Berlim de 1989

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

A polícia e manifestantes também concordaram com uma trégua negociada por clérigos muçulmanos, após cinco dias de duros confrontos nas ruas que deixaram quase 40 mortos. Os confrontos começaram no sábado na Praça Tahrir, no centro do Cairo, e foram os mais longos desde o levante de 18 dias que culminou com a derrubada do presidente Hosni Mubarak, em 11 de fevereiro. O quadro piorou a economia do país e gera temores sobre a segurança, antes das primeiras eleições parlamentares desde a queda da ditadura de Mubarak. A votação deve começar nesta segunda-feira.

O comunicado dos militares é divulgado dois dias após o marechal Hussein Tantawi, chefe do conselho militar que assumiu o controle do país após Mubarak renunciar, prometer em rede nacional realizar eleições na primeira metade do ano que vem, mas não se desculpar pelas mortes.

Soldados usaram barras de metal e arame farpado para separar a polícia e os manifestantes. A trégua começou às 6h (hora local) e havia sido negociada por clérigos muçulmanos no local. "Se qualquer um jogar uma pedrinha, bateremos nele até a morte", afirmou um jovem, falando a jovens que queriam retomar os confrontos. Outras pessoas pediam calma.

O Ministério da Saúde confirmou 37 mortes desde o sábado. Já o Centro Elnadeem, grupo pelos direitos humanos egípcio conhecido pelo cuidado na pesquisa sobre a violência policial, cita 38 mortes. Os confrontos deixaram pelo menos 2 mil feridos, a maioria por inalar o gás lacrimogêneo ou pelas balas de borracha. A polícia afirma que não usou balas de verdade.

 

As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitopolíticaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.