Militares sírios invadem duas vilas, dizem ativistas

Localidades são próximas das fronteiras de Turquia e do Líbano; cerca de 20 morreram na sexta-feira.

BBC Brasil, BBC

25 de junho de 2011 | 19h21

Militares sírios conduziram neste sábado operações em uma vila próxima da fronteira turca e em outra nas proximidades do Líbano, segundo ativistas.

Relatos afirmam que centenas de sírios, algumas com ferimentos de tiros se refugiaram nos países vizinhos. Testemunham falam que muitos moradores da vila de Najia, próxima da Turquia, teriam sido presos.

A vila fica também perto de Jisr al-Shughour, cidade na qual o governo conduziu uma operação no início do mês em resposta ao que disse ter sido o assassinato de 120 integrantes de suas forças de segurança.

Mas ativistas dizem que os soldados teriam sido mortos por militares sírios após se recusarem a disparar contra civis.

A agência oficial de notícias síria diz que o Exército do país completou sua operação para controlar as vilas próximas à fronteira turca.

Calcula-se que quase 12 mil sírios tenham buscado refúgio na Turquia, fugindo da violência no país.

A grande maioria se recusa a voltar à Síria, apesar dos apelos do governo do presidente Bashar al-Assad de que a situação está estável e eles não sofreriam represálias.

Ao sul do país, perto da fronteira do Líbano, a cidade de Qusair teria sido atacada neste sábado pelo Exército e forças pró-governo, segundo ativistas, após a realização de protestos na sexta-feira.

Calcula-se que cerca de 20 pessoas tenham morrido em protestos no país na sexta-feira.

Grupos de oposição afirmam que, desde o início dos protestos populares contra o regime Assad, em março deste ano, pelo menos 1,3 mil pessoas já foram mortas por forças de segurança.

A confirmação de informações sobre protestos e mortes na Síria é difícil, já que o regime sírio não permite a entrada de jornalistas estrangeiros. Muitos relatos chegam por meio da internet, enviados por manifestantes no país.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.