Militares tailandeses se irritam com mídia internacional

Os novos governantes militares da Tailândia disseram neste sábado que planejam agir em relação aos relatos da mídia estrangeira, sobre o seu golpe, que consideram incorretos, e irão investigar alegações de corrupção contra o premier deposto, Thaksin Shinawatra.Ao mesmo tempo, uma constituição provisória a substituir a de 1997 deve ficar pronta em breve, segundo informou um jornal tailandês neste sábado. O ex-premiê Wissanu Krea-ngarm disse que a constituição interina está quase pronta e que poderá ser apresentada ao conselho militar na segunda-feira, segundo a versão eletrônica do A Nação.O general Palanggoon Klaharn, porta-voz do conselho militar no poder, disse à agência de notícias Associated Press não ter informações sobre a constituição.Palanggoon disse em coletiva de imprensa que o ministro do Exterior tomaria "medidas proativas" sobre o que ele chamou de relatos deturpados sobre o golpe. O porta-voz disse que jornalistas estrangeiros também apresentaram notícias que insultaram a estimada monarquia do país, e que o ministro recebeu ordens de responder imediatamente a esses relatos. Palanggoon não citou nenhum relato específico ou disse qual tipo de resposta poderá existir, mas disse que esclarecimentos foram dados aos diplomatas estrangeiros. Diversos relatos da imprensa estrangeira sugeriam que a tensão entre o palácio do rei Bhumibol Adulyadej e a administração de Thaksin poderiam ter contribuído para o surgimento da tomada do poder pelos militares. De qualquer forma, sob a lei e a tradição tailandesas, sugerir que o rei participa ativamente da política é um tabu. A monarquia tailandesa é constitucional e o rei tem seus poderes limitados. As reportagens feitas no exterior também reproduziram os pedidos dos governos ocidentais e de organizações de direitos humanos pela restituição da democracia, e criticando as restrições impostas pelo conselho militar sobre o direito de reunião e sobre a imprensa. O conselho militar, formalmente chamado de Conselho para a Reforma Democrática sob a Monarquia Constitucional, se prepara para uma investigação sobre os bens de Thaksin, o que poderia levar à sua prisão. "Iremos investigar seus bens e usaremos as leis existentes para confiscá-los e o dinheiro que ele ganhou através da corrupção e do abuso de poder. Os bens e o dinheiro que ele tinha antes de se tornar o premier não serão tocados", disse um militar de alto escalão em condição de anonimato, pois a investigação ainda não foi oficializada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.