Militares tomam Palácio Presidencial na capital do Mali

Soldados insurgentes afirmarm terem tomado o poder do país perante um "regime incompetente" e decretam toque de recolher a partir desta quinta-feira

Agência Estado

22 de março de 2012 | 02h13

Atualizado às 3h30

 

BAMACO - Soldados renegados de Mali disseram, nesta quinta-feira, ter invadido o Palácio Presidencial e prendido vários ministros após um tiroteio - em uma aparente tentativa de golpe de estado na nação do oeste africano. Eles ainda anunciaram a suspensão da Constituição após tomarem a sede da rádio e da televisão estatais na capital, Bamaco.

 

No anúncio televisivo, os militares afirmaram que houve uma dissolução de todas as instituições do Estado. O anúncio foi feito pelo denominado porta-voz do Comitê Nacional pela Recuperação da Democracia e a Restauração do Estado (CNRDRE), Amadou Konaré. Ao se pronunciar após a interrupção do sinal da rádio e da televisão públicas, Konaré denunciou a incapacidade do governo de solucionar a crise no norte do país, onde o grupo independentista tuaregue Movimento Nacional de Libertação de Azawad (MNLA) pegou em armas em janeiro.

 

 

Além disso, o porta-voz acusou o governo de ser incapaz de fazer frente ao terrorismo e de não poder dotar o Exército dos meios suficientes para desenvolver seu trabalho. "Nós estamos controlando o Palácio Presidencial", disse um dos rebeldes, na condição de anonimato. Outro insurgente afirmou que o chanceler Soumeylou Boubeye Maiga e o ministro do Interior, Kafouhouna Kone, estavam entre os detidos pelos soldados.

 

Enquanto isso, uma fonte independente disse o presidente Amadou Toumani Toure, que teria ficado escondido no palácio quando o tiroteio começou, conseguiu deixar o local. O norte de Mali, cuja independência é reivindicada pelo MNLA, é também um dos principais redutos na região do grupo terrorista Al Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI). Konaré, entanto, assinalou que o CNRDRE não tem a intenção de "confiscar" o poder.

 

Um motim, que supostamente começou em protesto sobre o modo como o governo está lidando com uma insurreição Tuareg no norte do país, começou ontem à tarde. O movimento, aparentemente, se transformou em uma tentativa de golpe, com soldados tomando a emissora do governo e atacando o Palácio Presidencial.

 

Após uma hora de apagão na transmissão da emissora estatal, uma mensagem entrou no ar pouco antes da meia-noite (horário local) prometendo, em instantes, "uma declaração dos soldados". (Com Efe e Dow Jones)

Tudo o que sabemos sobre:
Malisoldadosgolpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.