REUTERS/Miraflores Palace
REUTERS/Miraflores Palace

Militares venezuelanos detêm dois jornalistas que trabalhavam perto do palácio presidencial

Andreína Flores e Jorge Pérez Valery ficaram detidos por quatro horas por ‘supostamente estarem gravando' em um ‘corredor presidencial’, segundo o Sindicato Nacional de Trabalhadores de Imprensa

O Estado de S.Paulo

19 Agosto 2016 | 09h46

CARACAS - Militares venezuelanos detiveram por quatro horas na quinta-feira os correspondentes Andreína Flores, das emissoras RCN da Colômbia e da Radio France, e Jorge Pérez Valery, do conglomerado Red Más Colombia, quando trabalhavam perto do palácio presidencial em Caracas.

"Depois de quatro horas de detenção ilegal, já saindo do Fuerte Tiuna - o principal complexo militar na capital venezuelana -, com Flores y Pérez Valery", escreveu em sua conta no Twitter Marco Ruiz, secretário-geral do Sindicato Nacional de Trabalhadores de Imprensa (SNTP).

"Trata-se de um gesto de intimidação", acrescentou Ruiz, que publicou uma fotografia sua com os jornalistas no interior de um veículo no momento em que deixavam Fuerte Tiuna.

Consultado pela agência de notícias France-Presse, um funcionário do Ministério de Comunicação e Informação afirmou que não havia um pronunciamento oficial sobre o fato. Mais cedo, Pérez Valery havia relatado que eles foram detidos na área de El Calvario e levados a um posto da Guarda Nacional Bolivariana (GNB), e depois a Fuerte Tiuna.

Os jornalistas, ambos venezuelanos, foram trasladados pela Direção de Inteligência Militar até as instalações do Ministério da Defesa, localizadas dentro de Fuerte Tiuna, informou o SNTP em um comunicado.

Segundo a organização sindical, os repórteres foram detidos "por supostamente estarem gravando em um 'corredor presidencial'" em El Calvario, perto do Palácio de Miraflores. O defensor público Tarek William Saab escreveu em sua conta do Twitter que uma delegação iria a Fuerte Tiuna para "verificar a situação legal" dos jornalistas.

Em 2015, a ONG Espaço Público registrou 286 violações à liberdade de expressão, causadas principalmente por intimidação, agressão verbal e censura, aponta o relatório anual. No mesmo ano, a organização Repórteres Sem Fronteiras situou a Venezuela no posto 137 de 180 na classificação mundial da liberdade de imprensa, duas posições abaixo com relação à registrada no ano anterior. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.