Maxim Shemetov/Pool Photo via AP
Maxim Shemetov/Pool Photo via AP

Militares venezuelanos testam míssil russo

Vídeo publicado por jornal mostra militares fazendo testes com equipamentos e armas compradas da Rússia

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2019 | 20h17

CARACAS - Um vídeo publicado pelas Forças Armadas da Venezuela mostra militares venezuelanos testando equipamentos e armas comprados da Rússia nos últimos anos, informou nesta terça-feira, 19, o jornal El Comercio.

O vídeo mostra um caça Sukhoi Su-30MK2V disparando um míssil antinavio Kh-31, ambos comprados da Rússia. O teste de armamento faz parte de exercícios militares que ocorreram entre os dias 10 e 15 de fevereiro e têm como objetivo fortalecer a capacidade defensiva do território venezuelano pelas Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB).

De acordo com a web especializada em tecnologia aeronáutica Airforce Technology, a Sukhoi Su-30MK2V é uma aeronave de fabricação russa armada com mísseis de precisão e tem um alcance de lançamento de 120 quilômetros. Essas aeronaves começaram a chegar na Venezuela em 2006 em um dos muitos acordos de venda de armas entre o governo Chávez e a Rússia. Acredita-se que existam 24 unidades em serviços.

Além disso, os Kh-31 são mísseis antinavio supersônicos, capazes de chegar a 250 quilômetros de distância. Em suas versões modernas, eles são capazes de afundar um navio de 4.5000 toneladas e ter uma velocidade máxima de 1.000 metros por segundo.

Os exercícios de defesa das Forças Armadas ocorreram em meio à crescente tensão política causada pelo apoio dos Estados Unidos ao autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó. Os Estados Unidos enviaram recentemente três aviões militares carregados com toneladas de ajuda humanitária para Cúcuta, como parte de suas ações para pressionar o chavismo.

Os militares venezuelanos leais ao chavismo prometeram defender a integridade do território da Venezuela e impedir a entrada de ajuda humanitária.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.